HINO E BANDEIRAS, detalhes do canto e do uso

Todo evento que envolve bandeiras deve obedecer às regras protocolares estabelecidas em lei. É fundamental, portanto, que o organizador do evento conheça a ordem de precedência das bandeiras, prevista na Lei Federal no 5.700, de 1º de setembro de 1971.

Existe uma ordem padrão a seguir, seja quando as bandeiras estão hasteadas ao ar livre, no interior de salas de reuniões, na sala da direção ou em auditórios: a bandeira do Brasil sempre fica ao centro de todas as outras ( exceto em eventos internacionais, onde se deve utilizar a ordem alfabética nacional.).

As demais são dispostas dos lados direito e esquerdo, na ordem de precedência, ou em alameda, com a bandeira brasileira em primeiro plano.

Ao ser hasteada com outras bandeiras, a brasileira será a primeira a atingir o topo do mastro, e o ato deve ser executado por uma das principais autoridades presentes, com o público em pé.

No caso de o evento estar homenageando um país em especial, a bandeira desse país deverá ficar à direita da brasileira.

TAMANHOS ADEQUADOS

Os diferentes tamanhos de bandeiras são medidos em “panos”.

As bandeiras de dois panos são ideais para salas e auditórios, podendo ser confeccionadas em tecidos mais nobres, garantindo assim a durabilidade.

Bandeiras de três ou quatro panos são usadas principalmente em pátios externos e confeccionadas em tecidos mais resistentes.

Bandeiras utilizadas no mesmo local ou evento devem ser do mesmo tamanho.

Em cerimônias fúnebres, cobrindo o ataúde, se houver mais de uma bandeira, a brasileira ficará em cima das demais.

MEDIDAS OFICIAIS DE BANDEIRAS

  • dois panos (bordada ou impressa): para área interna, 0,90 x 1,29 m;
  • três panos (bordada ou impressa): para área interna, 1,35 x 1,93 m;
  • quatro panos (impressa ou de náilon): para pátios externos, 1,80 x 2,58 m;
  • seis panos (impressa ou de náilon): para mastro de praça, 2,70 x 3,86 m.
Informações adicionais: http://www.exercito.gov.br/homepage

MANUTENÇÃO

A manutenção das bandeiras é feita por um serviço do Exército (mediante solicitação), assim como a incineração efetuada em cerimônia especial, no Dia da Bandeira. A partir de 2007, nossa organização passou a realizar esse cerimonial peculiar, em praça pública (vide notícias neste sítio, e atalho especial: Cerimonial Peculiar de Incineração,

ONDE USAR

A bandeira nacional pode ser usada em todas as manifestações do sentimento patriótico dos brasileiros, de caráter oficial ou particular.

Em funerais, a bandeira fica a meio mastro ou a meia adriça. Nesse caso, no hasteamento ou arriamento, deve ser levada inicialmente até o topo. Quando conduzida em marcha, indica-se o luto por um laço de crepe atado à lança.

A bandeira nacional, em todas as apresentações no território nacional, ocupa lugar de honra, compreendido como uma posição:
  • central ou a mais próxima do centro e à direita deste, quando com outras bandeiras, pavilhões ou estandartes, em linha de mastros, panóplias, escudos ou peças semelhantes;
  • destacada à frente de outras bandeiras, quando conduzida em formaturas ou desfiles;
  • à direita de tribunas, púlpitos, mesas de reunião ou de trabalho. Considera-se direita de um dispositivo de bandeiras a direita de uma pessoa colocada junto a ele e voltada para a rua, para a platéia ou, de modo geral, para o público que observa o dispositivo.
Quando não estiver em uso, a bandeira nacional deve ser guardada em local digno. São consideradas manifestações de desrespeito à bandeira nacional e, portanto, proibidas:
  • apresentá-la em mau estado de conservação;
  • mudar-lhe a forma, as cores, as proporções, o dístico ou acrescentar-lhe outras inscrições;
  • usá-la como roupagem, reposteiro, pano de boca, guarnição de mesa, revestimento de tribuna, ou como cobertura de placas, retratos, painéis ou monumentos a inaugurar;
  • reproduzi-la em rótulos ou invólucros de produtos expostos à venda.
HINO NACIONAL

O GR, com a ajuda da Faculdade de Educação da UNICAMP, reproduziu CDs com diversos hinos, inclusive o Hino nacional, e os destinou às unidades de ensino e pesquisa e aos órgãos da Instituição. Essas gravações são melhores que a disponível no site: http://www.exercito.gov.br/01Instit/Historia/

Alguns cuidados são recomendados quando da apresentação do Hino nacional brasileiro durante um evento. Nos casos de execução do Hino, a marcha batida integrará as instrumentações de orquestra e banda, devendo ser mantida e adotada a adaptação vocal, em fá maior.

Segundo a Lei 5.700/71, é vedada a execução de quaisquer arranjos vocais do Hino nacional, a não ser o de Alberto Nepomuceno; igualmente não será permitida a execução de arranjos artísticos instrumentais que não sejam autorizados pelo presidente da República, ouvido o Ministério da Educação e Cultura.

Quando se executar um hino nacional estrangeiro em uma cerimônia, este precede, por cortesia, o Hino nacional brasileiro.

Antigamente os aplausos eram reservados apenas para a execução do Hino nacional por orquestra sinfônica, em concerto. Atualmente, com as gravações, há quem os justifique como sinal de respeito.

Os civis colocam a mão direita sobre o peito em decorrência da continência dos militares.

HINO NACIONAL em LIBRAS

No Youtube existem diversos vídeos da execução do HIno Nacional na língua brasileira de sinais (LIBRAS). Confira um exemplo:


VOLTAR ao topo

Patriotismo - Símbolos Nacionais - 12/9/2007

Nome
Email
Fundo de Tela:
Escolha sua configuração e baixe o seu:
Desenvolvimento: Aion Informática